domingo, 30 de setembro de 2012

Carnaval sem fim

Na Marquês de Olinda
Encontrei o bloco Elefante
E bem alto a ti
Cantei essa canção.

"Te amo
Você é minha ilusão
De sonhos que trago
No coração".


O bloco passou
Você ficou pra sempre
Dentro de mim
A cantar hinos de amor
De um carnaval sem fim.


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Teu rosto

Teu rosto encantador
Revela paz

Em tua boca
Sorriso brejeiro
Adocica rapaz

Teus olhos 
Duas negras contas
Brilham
Como joias raras

Teu nariz retilíneo
Marcam teu encanto
Azul anil é tua aura
Em tua pele clara



                                                     





quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Quero você










Quero você
Em minha vida
Alegrias 
E tristezas

Quero você
Junto a mim
Agora
Tenho certeza

Quero você
Pra mim
Nos meus sonhos
E planos

Quero você
Assim
Todos os 
Dias
Do ano

Quero você
Nu
De corpo 
E alma

Quero você
Em mim
Me acalanta
Me acalma






Paixão Ardente














Paixão ardente 
em gestos
que se transformam
em versos.

Ânsia de amar
amar como 
te amo  hoje
e também  amanhã.

Amar como 
se ama as flores
deleito de amores
poesias e afãs.














































































































































































































segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Quero Ser Pra Você


Quero ser pra você
Água que mata a sede
Um ninho de amor
Dentro da rede.

Um amanhecer
Sol de primavera
Borboletas a voar
Pássaros na janela.

Um verde vale
Um campo florido
Arco-ires no céu
Todo colorido.

Brisa do mar
Um doce perfume
Levado ao vento
Ao mais alto cume.

Quero ser pra você
Poesia e paixão
Amor guardado
No seu coração.

domingo, 16 de setembro de 2012

Beijo











Beijo agridoce
Doce azedo
Ui que medo!

Beijo melado
Ou salgado 
Só sábado

Beijo intimo
Só domingo
E ardente 
Aos quentes

Beijo escandaloso
De tirar 
O folego

Beijo esperado
E sonhado
Só os apaixonados 
Sentem.

Teus Versos

Inebriada estou
A ler 
Teus versos
Tamanha pureza
N'alma expressas

Em teu coração
Paixão, 
Sentimentos,
Amor,
Afã de um desejo
Sem pudor.

Viver 
Este encantamento
Não é tormento
É felicidade
Que no peito
Não cabe

De tão sincero
De tão profundo
Deixa-me flutuar
Feito boreal na aurora
Ao despertar.

Fique a Vontade

No meu coração
Há salas
Pra todo lado
Pequeninas e maiores
Já está
Quase lotado

Salas de família
E de amigos
Salas de estar
E também
Pra quem chegar

Entre, faça o favor!
Acomode-se
Bem sentadinho
Sinta-se a vontade
Te recebo
Com carinho

Dilema


Se avexe poetinha
Não fiques a sonhar
Quem sabe esse amor
Não está a te esperar

Teu sonho é perfeito
E não, tem outro jeito
Perturba teu coração
Acelerado no peito.

Ser virtual, oxe!!
Não é problema
Torna-o real
E acaba esse dilema.

A Escolha

São belas as meninas
A espreita na janela
Estão a suspirar
Por um flerte
Uma piscadela

Corações a saltitar
Olhinhos a piscar
Mas todas querem
Um príncipe
Encontrar

Ninho pode-se armar
Com carinhos e miminhos
Mas terás que escolher
A menina
Com jeitinho.

Príncipe Galante

Ser chamada de princesa 
É de  fato elegante
Por tão nobre gesto
De um príncipe galante

A escolha é difícil
São belas as princesas
Que vivem a suspirar
Por tão nobre realeza

A beleza está na alma
Não somente na carinha
Te desejo muita sorte
Na escolha da rainha.

sábado, 15 de setembro de 2012

Tempinho


Te descrever
É meu desafio
Te conhecer 
Meu Deus !!!
Sinto arrepios

Menino lindo
Te peço um tempinho
Quero você
No meu caminho

E assim sendo
Viverás por lá
Como criança
No meu coração 
A brincar

                                             Monicalima   08/12

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Amor Infinito


Como encantado
És infinitamente
Amado e desejado 
Assim  te tenho
E te possuo
Envolto em brumas 
Meu doce e grande amor

As retas de teu corpo
Me levam ao infinito
Em teus braços
Meu corpo enebriado
Cai.
És meu sonho acordado
Que será guardado
Com paixão e fervor.

Monicalima 09/12

Recife




Recife dos coqueirais
Dos poetas menestréis
Recife dos carnavais
Maracatu e arrata pés.

Recife linda cidade
Praias de brancas areias
Teu mar de águas quentes
E lindas cereias

Recife teus caudalosos rios
Serpenteiam a cidade
E encontram o mar
Recife de encantos mil
Meu lar doce lar.


Monica Lima 08/12

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Saladas humanas


A exatidão dos fatos 
É desconexo em seus atos
Prefiro ciências inexatas,"humanas"...
Mas de tão complicadas
Transformam-se em saladas

Vamos provar
O que estamos a decifrar
Matemática, álgebra, aritmética...
Mas que chato...nunca sei de fato 
Se vou acertar

Em saladas tenho prática
Corro da matemática
Sempre exata, 
Sempre a calcular

500 gramas de amizade, 
400 de felicidade
Um kilo de amor
Faça o favor

Coloque nesta receita
Um pouco de aritmética
Álgebra , logaritmo, 
para não sair do ritmo

Que as saladas
Bem preparadas
Não tem pesos nem medidas
Brotam do coração
Com exatidão.

MonicaLima 2011/07

Homem



De pele morena
Sinto em mim
Tua alma serena

Encanto brejeiro
De olhar matreiro
Docinho de coco
Te roubo um cheiro

Infância


                                                                      
Será que lembro ainda! Talvez em flashes... Mas tentarei prosar o que passei. Infância boa, abastada de brincadeiras e guloseimas. Mas por onde começar não estou a lembrar as idéias estão embaralhadas.
Xi... Se da concepção, essa não... Não vou recordar. Mas sei que saí de um beijo e o resto cês sabem, não preciso falar. Minha mãe muito linda e meu pai muito galante, e o que saiu? Eu a figurante!
Dizem que não nasci no caminho por um triz. Eita que pressa danada de sair pro mundo à galopada. Contam que era bem calminha, dormia como um anjinho depois das mamadas.
Aos seis meses de vida quase morri, fui salva por uma alma caridosa que me pendurou pelos pés e com duas palmadas me tirou da morte, sufocada por coqueluche desenfreada. Mas não era a hora, tinha muito que viver e contar minha história.
Lembro sempre de jardins e casas grandes, muita correria de esconde-esconde. Gostava de água, torneiras de jardim era piada e todas bem apertadas. Já sabiam que eu era uma danada. Vestir um vestido, que sacrifício! Todos bordados, rendados e cheio de bicos engomados, como espinhavam...
Lembro de seu João, um negão de dois metros, que todos os dias em casa de meus avós passava.  Contava as horas... Por ele ser grande me colocava nos braços a rodar a casa. Subia no galinheiro, nas árvores e muros altos e minha madrinha por perto a dizer: O que será dessa menina quando crescer! E eu cá comigo... Adola num telo saber.
Andar de trem Ah! Como gostava, rolete de cana e cocada. Doce de leite que delicia! E bananada. Quebra queixo de todos os sabores, pirulito de tábua, suspiro, nego bom, canudinho e rabanada.
O leite chegava cedinho no lombo de um burrico, bem quentinho e fresquinho e não tínhamos nada, nossas faces eram coradas como dois tomatinhos. Enquanto isso a chaleira fervia e apitava, estava a sair um café quentinho que na esquina cheirava. Às duas da tarde vinha o mascate que vendia de A Z tudo o que se precisava dentro de casa. O carteiro todos os dias pontualmente no jardim adentrava, tirava o chapéu e dizia: boa tarde senhores e senhoras só pude vir agora!
E assim caminhavam os dias. Nas festas juninas minha avó caprichava. Pamonha, pé-de- moleque, mugunzá, canjica, milho cozido e assado deixando todos empanzinados. E a folia rolava noite a dentro ao som de sanfonas e muito xaxado.
Dormir em rede adorava! E nunca tive problemas de coluna, costela caída ou espinhada. Até entrar na escola a vida foi assim sempre animada e para tal, tínhamos que saber de cor a cartilha e a tabuada. Um tempo muito bom com a vida descomplicada.
Cresci no seio da família entre as casas de meus pais e de meus avós. No interior onde morávamos a brincadeira era acelerada, pião, papagaio, bola de gude, bodoque, carrinho de rolimã, queimado, brincar com os meninos era mais animado. Eu brigava ia as tapas e defendia meu reinado. Minha mãe gritava: Menina vem cá, parece um machão que estou a criar. Respondia calada: a senhora é quem pensa brincar com meninos é mais salutar e corria estabanada. As bonecas da época que horríveis, pareciam entaladas de tão duras não sentavam. E eu pensava, mas que brincadeira boba a minha é mais animada.
Primeira comunhão de minhas irmãs que festança, buchada e muita comilança. O bode amarrado no fundo do quintal e meu irmão a cutucar, de repente o corre corre, o bode soltou-se e desembestou-se. Ai ai ai... que confusão pegar esse  bode não foi brinquedo não. Mas a festa rolou e no dia seguinte na panela o bode entrou.
A casa tinha um enorme quintal com árvores frutíferas, subir até o olho era uma delícia, sensação de perigo e liberdade já naquela idade.
Lembro-me de um temporal e cinco crianças às escuras com velas na mão, trovão, raio o diacho, chuva forte de meter medo no tacho.
Bem meus amigos, hoje paro por aqui, nos próximos dias pretendo seguir a contar minha história buscando na memória o que já vivi.
Monica Lima 03/09/12

AMIGOS



DAS ALEGRIAS E TRISTEZAS...
DAS ESTRADAS DA VIDA
DA ALMA DESPEDAÇADA
DAS CONQUISTAS 
DAS HORAS DE CUMPLICIDADE
NÃO TEM IDADE...

AMIGOS
CERTO.... CORRETO... JULGADOR
QUE ACALANTA NOSSA DOR 
QUE ENCANTA NOSSOS DIAS
SUA PRESENÇA UMA ALEGRIA

AMIGOS...
PRESENTES DO CRIADOR
NÃO QUERO MUITOS
QUERO POUCOS
E  ESTARÃO SEMPRE 
POR ONDE EU FOR

AMIGOS 
VERDADEIROS... LEAIS... CORDIAIS​... 
E TAMBÉM GENIAIS
EM SUA ESSÊNCIA, 
MUITO BRILHO, AMOR E PAZ
DAS HORAS QUE SUA AUSÊNCIA CAUSOU

RITA



SEMBLANTE 

DE ALEGRIA 
QUE CONTAGIA
TAMANHA 
 SIMPATIA...

TRADUTORA 

DA FELICIDADE
EM SUA 

NATURALIDADE...

AMIGA 

DEIXA ESTAR 
NOSSA AMIZADE 

VAI SE ESTREITAR...

UM GRANDE BJO 

REPLETO DE DESEJOS 
DE SEMPRE ALEGRIA 

TE DESEJAR

CARLOS




NO ROSTO UM CAVALO
ENIGMÁTICO E DÓCIL
POR VEZES ARREDIO
SELVAGEM E FORTE

INDOMÁVEL
QUARDAS SEGREDOS
JAMAIS REVELADOS
SOIS NOBRE DE ALMA
AMIGO ADORADO

ANDRÉ




ÉS LINDO

INOCÊNCIA DE MENINO
QUE TEU ROSTO TRADUZ
EM TEUS OLHOS MUITA LUZ

OBRA DIVINA 
EM MÃOS DE ESCULTOR

ANDRÉ DOCE NOME FORTE
EM MEU CORAÇÃO MUITA SORTE
TE DESEJO COM AMOR.

JOÃO



NEM HOMEM NEM MENINO
UM SER EM TRANSIÇÃO 

TORNAR-SE HOMEM
INOCÊNCIA DE CORAÇÃO

TENS PERFIL PERFEITO
DE QUE TRAZES NO PEITO
MUITA COMPAIXÃO

A TE OLHAR  ESTOU

PERFEITO FOI O AUTOR
DE TÃO TERNA BELEZA
ALMA EM NOBREZA
TE DESEJO MUITO AMOR

Inspiração














Amor meu
Não fiques Triste
Na minha felicidade
Tu existes

Puro, pleno de ternura
Noites encantadas
Devaneios
E loucuras

És há muito tempo
Minha inspiração
Contigo verso
És alento

Sintonia, palavras que fluem
Por mais que anseie
Serei só sentimento
Te guardo no coração

Por isso amor, te peço

Fica comigo
Não te afastes
És meu refrão

Na tua ausência
Fico sem alma
Meus versos choram
Entristecem e calam.



Amar-te


Gostaria de ler 
Teus pensamentos
Numa corrida infinita
Penetrar teu coração.

Permanecer por muito tempo
Sem sequer perceber
Estar junto a ti
Por dias, meses ou uma estação.

Amar-te tem sido um sonho
Uma realidade infinda
Pergunto- me porque?
Na verdade não quero saber.

Conhecer-te e amar-te
Felicidade ilógica?
Entender pra que.
Mas só amar-te... Amar-te...Amar-te...

E assim ficar a sonhar
O dia de conhecer-te
Meu corpo entregar-te
E a ti pertencer
E em teus braços ficar
Louca de prazer.

Abandono



Te descobri em meu abandono
Pra te dar um pouco de vida
Já que estavas morto
Morto de medo e sem saída.

De um longo adormecer saíste
Em terra firme a cambalear
Teus passos firmes, mas tristes
De sonhos que não queres despertar

Desci ao porão dos sentimentos
Numa busca infinda te encontrei
Se viste não sei
Meu coração te entreguei

De verdades abri meus segredos
Te ofereci meu corpo ao abrigo
Te aninhaste ao meu colo despido
E nas caricias ouvi teu gemido.














Se eu morrer primeiro que você

SE EU MORRER PRIMEIRO QUE VOCÊ...
NÃO ME VISTAS
CUBRA ME COM AS MAIS BELAS FLORES DO CAMPO
QUE FAREI CHEGAR A TI 
O DOCE PERFUME DOS CRISANTEMOS

SE EU MORRER PRIMEIRO QUE VOCÊ
NÃO CHORES
LEMBRAS QUE FUI ALEGRIA, E ESTA
QUERO DEIXAR EM TEU CORAÇÃO
TODOS OS DIAS

SE EU MORRER PRIMEIRO QUE VOCÊ
NÃO ME CUBRAS DE AREIA
DEIXA- ME LIVRE
MINHAS CINZAS LEVAS AO MAR
PARA QUE EU POSSA MOSTRAR AO MUNDO
O VERBO AMAR

SE EU MORRER PRIMEIRO QUE VOCÊ
NÃO SE ENTRISTEÇA
PORQUE TE AMAREI PARA SEMPRE
ONDE QUER QUE EU ESTEJA
ESTAREI A TE ESPERAR

UM BJO DOCE MEU AMOR NÃO CHORES
SUA TRISTEZA MINHA'ALMA ENTRISTECE
E ASSIM NÃO PODEREI FICAR

Redes virtuais











Nas redes sociais
Tens que ter muito cuidado
Para não se decepcionar
Ou correr apressado

Não se pode generalizar
Há muita gente legal
Que nos tratam com carinho
Na esfera virtual

Por isso sempre que posso
Tento logo resolver
Acabar com o virtual
E um amigo conhecer

Nos enganar, isso é normal
Faz parte do viver
 

Não devemos deduzir
Sem antes conhecer

Tem gente com muitas caras
De santo e de diabo
Mas também tem muitos anjos
Que nos enganam um bocado.

Mas isso eu não ligo
Cada um é como é
Real ou virtual
Se aceita se quiser

Eu me sinto a vontade
Virtual sei como ser
Trato a todos com carinho
É assim que deve ser.

Esquina virtual



Nas esquinas da internet

Aparece sempre alguém
Que a nós um mimo faz
E nos chama de meu bem

Tratar todos com carinho

Faz parte do ritual
De quem quer colher amigos
Nesta rede social

Encontrar um amorzinho
Isso pode acontecer
Namorar o bem amado
Até o dia amanhecer

Se alguém tiver a sorte

Dum amorzinho encontrar
Segure o com carinho
Pra seu sonho embalar

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Anjinho Maroto


Anjinho maroto
Menino danado
Vem de mansinho
E beija melado

Arder em teus braços
Gemer de paixão
Anjinho garoto
Do meu coração

Fizeste proposta
Te vou responder
Irá dar certo?
Num quero saber!!!

Navegarmos juntinhos
Pelos mares do amor
Sem rumo e sem tempo
A todo vapor.

Amizade Infinda

Um amor
Sem amizade
A cumplicidade jaz
Se torna fugaz

Amigo
Gosto de ti
Te respeito

Do fundo 

Do meu coração
É tudo 
Que posso te dar

Amizade infinda

Dessas que fazem sonhar
Sem cobranças 
Para amar

Se vier o amor

Será gradativo
Como tudo na vida
Que veio para ficar


Doce Magia


Adotar o amor 
Como companheiro
É viver 
Um sonho encantado
Dormir e acordar 
Sem jamais 
Ter se deitado
Viver 
Quatro estações
Em doce magia
Lado a lado
É sentir na alma
O calor 
Do bem amado




Sonho

Em teus braços dormentes
Meu amor repousa
Envolto em brumas
De angelical aurora


Rouxinóis e canto-vias
Embalam este sonho
Que de tão encantado
Esqueceu-se de ir embora

Monicalima  09/12

Recordações
















Viver intensamente
Não trás o passado
Cada  vão momento
Certeiramente marcado

Estará para sempre 
Em nossa memória 
Em nossos corações
Revelando histórias

Desabrocha como flor
Hino de emoções
Trazendo ao presente
Doces recordações

Romeu e Julieta

Cotovias e Rouxinóis
Cantaram alucinadas
A embalar dois jovens
Até altas madrugadas.

Romeu e Julieta
Dois apaixonados
Que viviam a sonhar
De ficarem lado a lado

Foi um grande desejo
Que não se realizou
Por intrigas de famílias
Um grande amor findou.

Planejaram suas mortes
Mas tudo deu errado
O aviso chegou tarde
Ao que era esperado

Julieta adormeceu
Em sono profundo
Romeu foi encontrá-la
Em outro mundo.

A amada ao despertar
Sentiu  enorme dor
Ao seu lado jazia
O seu grande amor

Ao paraíso foram os dois
Juras de amor trocar
E de mãos dadas estão
Entre relvas a caminhar

E assim mais uma vez
Finda uma estória tão linda
De amores impossíveis
Que nunca se viu ainda


Conhecer no dia a dia
Pessoas tão carinhosas
Nos deixam a sonhar
Com romances
Em verso e prosa

Monicalima   09/12